Uma cidade para além da ciranda dos nossos pares

O desafio da gestão democrática e participativa das cidades reside em ampliar vozes




A gestão democrática e participativa das cidades ainda é uma experiência que precisa de compreendida para além dos nossos pares. Os termos democracia e participação viraram expressões corriqueiras e superficiais que precisam ser compreendidos numa dimensão do real e do conflito.

Democracia e participação deve se desligar da compreensão romantizada e harmonizada de sociedade, de unidade de ideias e de construção coletiva pacificada. É na heterogenia de ideias, no dissenso, no confronto de interesses, no antagonismo de posições, na correlação de forças, na disputa de narrativas que a democracia e a participação se tempera.

Quando as classes sociais são declaradamente antagônicas, não esperemos pela paz! As cidades são produzidas a partir do processo de concentração e reprodução do capital, o qual se dividir de forma desordenada e socialmente desequilibrada, apresentada espacialidades e paisagens culturais e sociais contrastantes.   

Neste sentido o contraste não é silencioso e nem se apresenta discursivamente e na ação prática de forma retilínea. O que distância ainda mais, a prática política da receita de bolo. Os contextos, correlações de forças e compreensões políticas se modificam a cada conjuntural local e global e em cada espacialidade e lugar.

O desafio da gestão democrática e participativa das cidades  reside em ampliar vozes, inclusive as discordantes, em realinhar decisões e dividir poderes, radicalizar o acesso aos serviços públicos e reordenar as ocupações dos espaços de poder.           

Num olhar do campo popular e progressista, alinhado a concepção de transformação social, gestão democrática e participativa das cidades, deve ser uma premissa de entrelaçamento das camadas populares aos espaços de poder e de radicalidade na democratização dos serviços públicos.

Entretanto, essa não é uma tarefa fácil, nem mesmo para a esquerda que saliva cotidianamente as palavras democracia e participação, muitas vezes, até como pretensas detentoras dessas expressões e se contradizendo, em alguns casos, tendo dificuldades para dividir os espaços de poder com os seus próprios pares.

Enquanto não temos, nem teremos uma receita para gestão democrática e participava das cidades, cabe o entendimento de contraste e disputa e a clareza com quem construiremos a democracia e a participação.

Democracia e participação não pode ser uma canção distante e construída no silêncio das decisões e muito menos na ciranda dos nossos pares.   

Carregar mais Posts Relacionados
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Não quero ser gente

    É do senso comum e de âmbito familiar, em especial no seio das camadas populares expressões do tipo “Se não você não estudar não será gente”, “Estuda para ser gente”, “Quem não estuda não consegue ser gente”. No campo da pedagogia, essas expressões precisam ser apuradas na sua essência, pois estão diretamente ligadas as concepções pedagógicas de educação e ao processo de manutenção e transformação social.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Uma cidade para além da ciranda dos nossos pares

    O desafio da gestão democrática e participativa das cidades reside em ampliar vozes
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Costureira do escuro

    A noite estava mais escura, as luzes dos postes e das casas deviam ter se cansado ou se reuniram para fazer greve. Quando as luzes se apagam, sem a nossa vontade, os que estão espalhados se juntam, parece até que o escuro é perverso ou que ele tira nossos olhos e nossa coragem.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Sensibilidade, burocracia e o conflito na Lei Aldir Blanc

    A Lei de Proteção Social da Cultura recolou o principal marco regulatório das políticas públicas para a cultura no pais na centralidade das discussões
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Cabeças de Bonecas

    A cabeça daquele corpo estava ali entre as cabeças das bonecas e outras cabeças humanas.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    O duelo da práxis e da hipocrisia nos programas de governo

    Os programas de governos nas disputas eleitorais são importantes instrumentos para definir o perfil das candidaturas e o caráter possível dos governos eleitos. Apesar dos programas de governos não serem o vetor que possibilita na maioria das vezes a vitória eleitoral, tendo em vista, que historicamente, as eleições são decididas pelo poderio econômico, basta ver o caráter de representação parlamentar nos três níveis federativos, a maioria dos eleitos entram pelo caminho do suporte financeiro de suas campanhas e não pelas suas proposições.
Carregar Mais Por Alexandre Lucas
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Não quero ser gente

    É do senso comum e de âmbito familiar, em especial no seio das camadas populares expressões do tipo “Se não você não estudar não será gente”, “Estuda para ser gente”, “Quem não estuda não consegue ser gente”. No campo da pedagogia, essas expressões precisam ser apuradas na sua essência, pois estão diretamente ligadas as concepções pedagógicas de educação e ao processo de manutenção e transformação social.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Uma cidade para além da ciranda dos nossos pares

    O desafio da gestão democrática e participativa das cidades reside em ampliar vozes
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Costureira do escuro

    A noite estava mais escura, as luzes dos postes e das casas deviam ter se cansado ou se reuniram para fazer greve. Quando as luzes se apagam, sem a nossa vontade, os que estão espalhados se juntam, parece até que o escuro é perverso ou que ele tira nossos olhos e nossa coragem.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Sensibilidade, burocracia e o conflito na Lei Aldir Blanc

    A Lei de Proteção Social da Cultura recolou o principal marco regulatório das políticas públicas para a cultura no pais na centralidade das discussões
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Cabeças de Bonecas

    A cabeça daquele corpo estava ali entre as cabeças das bonecas e outras cabeças humanas.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    O duelo da práxis e da hipocrisia nos programas de governo

    Os programas de governos nas disputas eleitorais são importantes instrumentos para definir o perfil das candidaturas e o caráter possível dos governos eleitos. Apesar dos programas de governos não serem o vetor que possibilita na maioria das vezes a vitória eleitoral, tendo em vista, que historicamente, as eleições são decididas pelo poderio econômico, basta ver o caráter de representação parlamentar nos três níveis federativos, a maioria dos eleitos entram pelo caminho do suporte financeiro de suas campanhas e não pelas suas proposições.
Carregar Mais Em Coluna do Alexandre Lucas

Sobre Alexandre Lucas

Pedagogo, Presidente do Conselho Municipal de Políticas do Crato-CE, integrante do Coletivo Camaradas e da Comissão Cearense do Cultura Viva.

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.

Instagram

Instagram has returned invalid data.

Siga-nos!