Um brinde à Tony Morrison

Tony Morrison, primeira mulher negra a ser agraciada com o Nobel de Literatura, é uma escritora com uma linguagem forte e fluída, cuja obra traduzida para vários países é pura potência: onze romances, cinco livros infantis, oito obras de não ficção, contos e peças de teatro.




No ano de 1993, a Academia Sueca curvou-se aos romances fortes de uma americana negra: Tony Morrison foi agraciada com o Nobel de Literatura. Nascida Chloe Ardelia Wofford (18 de fevereiro de 1931, em Lorain, em Ohio, nos EAU) converteu-se ao catolicismo aos 12 anos e seu nome de batismo passou a ser Anthony, ou simplesmente Tony.

Segunda filha de um casal (Ramah e Goerge) de classe média baixa, Tony foi uma leitora ávida que, em 1953, formou-se em Inglês (Universidade de Howard) e dois anos depois concluiu o mestrado com uma dissertação sobre o suicídio nas obras de William Faulkner (1897-1962) e Virgínia Woolf (1882-1941).

Você já se sentiu feio / a, ou já se questionou o que deveria fazer com seu corpo e com seu cabelo para ser aceito /a pela sociedade? Não. Conhece alguém que já vivenciou esse sentimento de exclusão social? E que ainda por cima teve uma mãe negligente e um pai abusador?. Esse é o enredo de “O olho mais azul” (1970), estreia de Morrison, uma obra sensível, tocante, incômoda, mas inspiradora de uma personagem negra, Pecola Breedlove, nascida em uma sociedade (década de 1940, nos EUA) que parece ter sido erigida para exclusão, e que ainda hoje, diz não para todos / as que não se encaixam no padrão de beleza posto.

Os romances de Morrison foram ambientados nos séculos XIX e XX dos Estados Unidos, contexto marcado pelo racismo, pelo patriarcado e pela hipocrisia social. Eles   nos trazem história comoventes e dolorosas de mulheres negras que foram invisibilizadas, escravizadas, violentadas e separadas de seus filhos. A ideia de ser mãe e a sua própria feminilidade foram negadas a elas. Lutar e resistir eram suas únicas opções.

Premiadíssima, Tony Morrison é autora, ainda, de romances como “Sula” (1974), “Amada” (1987), “Paraíso” (1999) e “Amor” (2003). É uma das vozes mais potentes da literatura afro-americana contemporânea. Vamos escutá-la!

  • Coluna Literária Colunas

    Um brinde à Tony Morrison

    Tony Morrison, primeira mulher negra a ser agraciada com o Nobel de Literatura, é uma escritora com uma linguagem forte e fluída, cuja obra traduzida para vários países é pura potência: onze romances, cinco livros infantis, oito obras de não ficção, contos e peças de teatro.
Carregar mais Posts Relacionados
  • Coluna Literária Colunas

    Henriqueta: Uma Galeno em destaque

    Nascida em 23 de fevereiro de 1887, Henriqueta Galeno, escritora, poetisa, educadora e ensaísta contribuiu de forma decisiva para que as mulheres tivessem voz nas letras cearenses.
  • Coluna Literária Colunas

    Um brinde à Tony Morrison

    Tony Morrison, primeira mulher negra a ser agraciada com o Nobel de Literatura, é uma escritora com uma linguagem forte e fluída, cuja obra traduzida para vários países é pura potência: onze romances, cinco livros infantis, oito obras de não ficção, contos e peças de teatro.
  • Coluna Literária Colunas

    Uma aniversariante “atormentada”

    Virgínia Woolf, uma das mais influentes escritoras inglesas do século XX, é autora de nove romances e trinta obras de outros gêneros. As restrições às mulheres é um dos seus temas mais explorados.
  • Coluna Literária Colunas

    Janeiro – um mês renovador

    Janeiro é o primeiro mês do ano no calendário juliano e gregoriano. É composto por 31 dias para que possamos nos renovar e nos esperançar.
  • Coluna Literária Colunas

    Uma experiência com Jane Austen

    Jane Austen é uma daquelas escritoras habilidosas que, por meio de suas personagens femininas, conseguiu retratar a sociedade inglesa do século XVIII.
  • Coluna Literária Colunas

    Alba Vadez: Uma cearense arretada!

    Mulheres cearenses, durante o século XIX, imprimiram seus nomes na Educação, na Literatura e no Jornalismo e, assim, contribuíram para engrandecer a história.
Carregar Mais Por Luciana Bessa
  • Coluna Literária Colunas

    Henriqueta: Uma Galeno em destaque

    Nascida em 23 de fevereiro de 1887, Henriqueta Galeno, escritora, poetisa, educadora e ensaísta contribuiu de forma decisiva para que as mulheres tivessem voz nas letras cearenses.
  • Coluna Literária Colunas

    Um brinde à Tony Morrison

    Tony Morrison, primeira mulher negra a ser agraciada com o Nobel de Literatura, é uma escritora com uma linguagem forte e fluída, cuja obra traduzida para vários países é pura potência: onze romances, cinco livros infantis, oito obras de não ficção, contos e peças de teatro.
  • Coluna Literária Colunas

    Uma aniversariante “atormentada”

    Virgínia Woolf, uma das mais influentes escritoras inglesas do século XX, é autora de nove romances e trinta obras de outros gêneros. As restrições às mulheres é um dos seus temas mais explorados.
  • Coluna Literária Colunas

    Janeiro – um mês renovador

    Janeiro é o primeiro mês do ano no calendário juliano e gregoriano. É composto por 31 dias para que possamos nos renovar e nos esperançar.
  • Coluna Literária Colunas

    Uma experiência com Jane Austen

    Jane Austen é uma daquelas escritoras habilidosas que, por meio de suas personagens femininas, conseguiu retratar a sociedade inglesa do século XVIII.
  • Coluna Literária Colunas

    Alba Vadez: Uma cearense arretada!

    Mulheres cearenses, durante o século XIX, imprimiram seus nomes na Educação, na Literatura e no Jornalismo e, assim, contribuíram para engrandecer a história.
Carregar Mais Em Coluna Literária

Sobre Luciana Bessa

Doutoranda em Letras pela Universidade Federal do Ceará e Coordenadora da Roda de Poesia do Coletivo Camaradas

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.