Bolsonarismo cultural: um ataque a liberdade estética e a autonomia artística

Alexandre Lucas destaca que o jogo de ataque e minimização são uma recorrente deste governo, como estratégia para ampliar as vozes conservadoras e reacionárias.




Por Alexandre Lucas*

Na Alemanha nazista, o Ministro da Propaganda de Hitler, Joseph Goebbels proclamou “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”. Na mesma linhagem e sem a esconder o aniquilamento criativo, o secretário Especial de Cultura do Governo de Jair Bolsonaro, Roberto Alvim, faz pronunciamento plagiado do nazismo, ao anunciar o Prêmio Nacional das Artes, em vídeo institucional, afirmou “A arte brasileira da próxima década será heróica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo, ou então não será nada”. O vídeo institucional ainda se apropria da estética do nazismo ao usar trechos da ópera “Lohengrin”, de Richard Wagner. A ópera foi um dos instrumentos da propaganda Nazista. Seguindo o mesmo intento, o Prêmio contemplará 05 óperas, cada opera receberá o valor de R$ 1.1 milhão, totalizando R$ 5.5 milhão.

Após a repercussão negativa do vídeo institucional e de live realizada em conjunto com presidente Jair Bolsonaro e o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, postada na página do Facebook de Bolsonaro, diversos segmentos das artes, das culturas, do parlamento, da comunidade judaica e do próprio governo manifestaram repúdio as declarações de Alvim. O Secretário Roberto Alvim é demitido, nitidamente, não pelo seu discurso, que é igualável ao do presidente, que faz declarações na Live tipo “você é a cultura de verdade, uma coisa que não tínhamos”.

O jogo de ataque e minimização são uma recorrente deste governo, como forma de criar estratégias para ampliar as vozes conservadoras e reacionárias que os sustentam.

A saída do Roberto Alvim, é uma dessas estratégias de minimização, entretanto o ataque bolsonarista prossegue. A estrutura de poder da Secretaria Especial da Cultura tem um alinhamento ideológico conservador, é o que demonstra a biografia de muitos dos gestores.

O Bolsonarismo cultural é marcado por uma série de mecanismos que reúne um arcabouço ideológico conservador que transita de Olavo de Carvalho ao movimento neopentecostal, passando pelo nazismo e o fascismo. Os temos recorrentes no linguajar deste governo demonstra o seu caráter restrito e elitista. “Cultura para uma maioria”, “cultura sadia”, “conservadorismo em arte”, “arte de qualidade”, “alta cultura” e “pátria, família e deus” são expressões que têm uma significação ideológica de desprezo e combate a democracia estética e artística.

Roberto Alvim, por mais que não tenha base de diálogo com os segmentos das culturas, das artes e da intelectualidade brasileira, no seu discurso no vídeo institucional, enquanto, representação do governo Bolsonaro, faz total sentido e ganha capilaridade dos seus apoiadores. Notadamente, os neopentecostais (O próprio Alvim é da Igreja Evangélica Bola de Neve), os militares e a elite econômica, em outras palavras, têm um discurso que serve como munição contra os movimentos sociais, a diversidade e pluralidade estética, artística, literária, intelectual e a peculiaridade e a discrepância socioeconômica do povo brasileiro.

O bolsonarismo cultural compõe uma agenda de descontinuidade das políticas públicas para a cultura no país, conquistadas no embate, no diálogo e nos mecanismos de participação social, destacadamente no governo Lula – Dilma, onde foram democratizadas e descentralizadas as políticas de fomento, intersetorialidade e proteção do patrimônio material e imaterial da cultura e provocou a redescoberta da memória, inventabilidade, diversidade étnica, religiosa, artística e cultural da heterogeneidade do nosso tecido social. Duas conquistas importantes desse período merecem destaque: a criação do Sistema Nacional de Cultura, que prevê repasse de recursos para estados e municípios, planejamento da política pública de cultura e a participação social, e, criação do Cultura Viva, principal política de base comunitária e de protagonismo cultural do país, ambas ameaçadas.

O bolsonarismo cultural, pelos discursos proferidos, antes e durante o Alvim, aponta para definição antecipada de recursos financeiros com conteúdo predefinidos. Esse é o caminho da censura prévia, da ditadura estética e artística, de violação da liberdade de pensamento e criação da tentativa ficcional de reduzir a estética na forma e no conteúdo do conservadorismo.

A batalha contra o bolsonarismo cultural persiste, ganha força no campo ideológico e institucional.

As eleições municipais é uma das frentes de luta para reconquistar as políticas públicas para cultura e de acumular forças para derrotar o Governo Bolsonaro. Unidade e frente amplas para as próximas eleições é o que poderá favorecer o avanço do campo democrático, progressista, popular e de esquerda, ou é isso, ou serão eles.

*Pedagogo, integrante do Coletivo Camaradas e atual presidente do Conselho Municipal de Políticas Culturais do Crato

Carregar mais Posts Relacionados
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Uma cidade para além da ciranda dos nossos pares

    O desafio da gestão democrática e participativa das cidades reside em ampliar vozes
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Costureira do escuro

    A noite estava mais escura, as luzes dos postes e das casas deviam ter se cansado ou se reuniram para fazer greve. Quando as luzes se apagam, sem a nossa vontade, os que estão espalhados se juntam, parece até que o escuro é perverso ou que ele tira nossos olhos e nossa coragem.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Sensibilidade, burocracia e o conflito na Lei Aldir Blanc

    A Lei de Proteção Social da Cultura recolou o principal marco regulatório das políticas públicas para a cultura no pais na centralidade das discussões
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Cabeças de Bonecas

    A cabeça daquele corpo estava ali entre as cabeças das bonecas e outras cabeças humanas.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    O duelo da práxis e da hipocrisia nos programas de governo

    Os programas de governos nas disputas eleitorais são importantes instrumentos para definir o perfil das candidaturas e o caráter possível dos governos eleitos. Apesar dos programas de governos não serem o vetor que possibilita na maioria das vezes a vitória eleitoral, tendo em vista, que historicamente, as eleições são decididas pelo poderio econômico, basta ver o caráter de representação parlamentar nos três níveis federativos, a maioria dos eleitos entram pelo caminho do suporte financeiro de suas campanhas e não pelas suas proposições.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    As paredes que falam

    Comecei escrevendo foi nas paredes: primeiro da casa, da casa que nunca tive, mas que chamava de minha, depois nas paredes da rua, da rua que também nunca foi minha. Quando escrevia nas paredes da casa, sem ainda conhecer o alfabeto e sem saber o que estava escrevendo; escrevia com mais vontade de dizer do que escrever, não sabia dizer e ninguém entendia o que escrevia, mas escrever nas paredes da casa é sempre perigoso: a gente ganha mais gritos e surras do que elogios, mas escreve.
Carregar Mais Por Alexandre Lucas
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Uma cidade para além da ciranda dos nossos pares

    O desafio da gestão democrática e participativa das cidades reside em ampliar vozes
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Costureira do escuro

    A noite estava mais escura, as luzes dos postes e das casas deviam ter se cansado ou se reuniram para fazer greve. Quando as luzes se apagam, sem a nossa vontade, os que estão espalhados se juntam, parece até que o escuro é perverso ou que ele tira nossos olhos e nossa coragem.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Sensibilidade, burocracia e o conflito na Lei Aldir Blanc

    A Lei de Proteção Social da Cultura recolou o principal marco regulatório das políticas públicas para a cultura no pais na centralidade das discussões
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Cabeças de Bonecas

    A cabeça daquele corpo estava ali entre as cabeças das bonecas e outras cabeças humanas.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    O duelo da práxis e da hipocrisia nos programas de governo

    Os programas de governos nas disputas eleitorais são importantes instrumentos para definir o perfil das candidaturas e o caráter possível dos governos eleitos. Apesar dos programas de governos não serem o vetor que possibilita na maioria das vezes a vitória eleitoral, tendo em vista, que historicamente, as eleições são decididas pelo poderio econômico, basta ver o caráter de representação parlamentar nos três níveis federativos, a maioria dos eleitos entram pelo caminho do suporte financeiro de suas campanhas e não pelas suas proposições.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    As paredes que falam

    Comecei escrevendo foi nas paredes: primeiro da casa, da casa que nunca tive, mas que chamava de minha, depois nas paredes da rua, da rua que também nunca foi minha. Quando escrevia nas paredes da casa, sem ainda conhecer o alfabeto e sem saber o que estava escrevendo; escrevia com mais vontade de dizer do que escrever, não sabia dizer e ninguém entendia o que escrevia, mas escrever nas paredes da casa é sempre perigoso: a gente ganha mais gritos e surras do que elogios, mas escreve.
Carregar Mais Em Coluna do Alexandre Lucas

Sobre Alexandre Lucas

Pedagogo, Presidente do Conselho Municipal de Políticas do Crato-CE, integrante do Coletivo Camaradas e da Comissão Cearense do Cultura Viva.

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.

Instagram

Instagram has returned invalid data.

Siga-nos!