As candidaturas de Bolsonaro esconderão Bolsonaro

As candidaturas bolsonaristas negaram Bolsonaro como estratégia eleitoral, tendo em vista a sua desaprovação popular.




A derrota do bolsonarismo e da ameaça à democracia que compõe a luta pelo Fora Bolsonaro, inevitavelmente passa pelas eleições municipais deste ano. É preciso identificar e combater as candidaturas alinhada à onda odiosa, conservadora, reacionária e truculenta que vem ganhando espaço e desmontando conquistas históricas e extinguindo os espaços de participação e decisão social.   

Derrotar Bolsonaro em cada cidade é uma necessidade vital para democracia. As candidaturas bolsonaristas negaram Bolsonaro como estratégia eleitoral, tendo em vista a sua desaprovação popular.  

Entretanto, as alianças dos partidos das elites econômicas (partidos de direita) que estão na base de apoio ao governo Bolsonaro, não devem ser subestimadas.

A capilaridade bolsonarista tem penetração nas periferias pelo poderio econômico e religioso. A estrutura econômica sempre foi um vetor para eleger candidaturas de direita nas periferias, pelo perfil de eleitores voláteis que historicamente foram sendo construídos, entretanto, nas últimas décadas as igrejas neopentecostais, em especial, criaram movimentações para a disputa eleitoral e atualmente a bancada evangélica é uma das maiores bancadas no congresso nacional.

Podemos afirmar que boa parte dos evangélicos, atuaram nas últimas eleições presidenciais no sentido de eleger Bolsonaro e o bolsonarismo e com isso elegeu as suas candidaturas comprometidas com as pautas de ataque aos direitos humanos, a democracia, a criminalização dos movimentos sociais e de retirada de direitos da classe trabalhadora.

A presença do setor evangélico nas periferias e sua forma de operar deve ser percebida com um divisor nas eleições deste ano. A militância orgânica e gratuita das igrejas neopentecostais e de outras igrejas poderão fazer uma grande diferença no resultado eleitoral.    

O campo popular, progressista, democrático e de esquerda deve fazer o exercício pedagógico de ampliar suas forças e de desguetização sua atuação, como estratégia eleitoral para avançar e consolidar a democracia, é preciso atrair os partidos de centro, os evangélicos e militares do campo democrático e progressista. Isso exige  clareza do que queremos e desconstrução dos nossos preconceitos.              

Sem amplitude e sem candidaturas unificadas, corremos o risco de dividir a esquerda e unificar a direita, em outras palavras, reduzir os espaços de participação social e ampliar os ataques a democracia e aos direitos da classe trabalhadora.       

O jogo eleitoral e as costuras políticas possíveis, do campos das esquerdas, devem ser pautadas  por uma plataforma política de defesa de cidades democráticas que consiga intercalar participação social e acessibilidade de serviços.      

O resultado eleitoral irá antecipar ou adiar a derrota do bolsonarismo, a face perversa de um evangelho torturado e de botinas de feição miliciana. Amplitude, unidade e defesa da democracia é um verso para construído com as multidões.      

  *Pedagogo, presidente do Conselho Municipal de Políticas Culturais do Crato, integrante do Coletivo Camaradas e da Comissão Cearense do Cultura Viva. 

Carregar mais Posts Relacionados
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Não quero ser gente

    É do senso comum e de âmbito familiar, em especial no seio das camadas populares expressões do tipo “Se não você não estudar não será gente”, “Estuda para ser gente”, “Quem não estuda não consegue ser gente”. No campo da pedagogia, essas expressões precisam ser apuradas na sua essência, pois estão diretamente ligadas as concepções pedagógicas de educação e ao processo de manutenção e transformação social.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Uma cidade para além da ciranda dos nossos pares

    O desafio da gestão democrática e participativa das cidades reside em ampliar vozes
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Costureira do escuro

    A noite estava mais escura, as luzes dos postes e das casas deviam ter se cansado ou se reuniram para fazer greve. Quando as luzes se apagam, sem a nossa vontade, os que estão espalhados se juntam, parece até que o escuro é perverso ou que ele tira nossos olhos e nossa coragem.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Sensibilidade, burocracia e o conflito na Lei Aldir Blanc

    A Lei de Proteção Social da Cultura recolou o principal marco regulatório das políticas públicas para a cultura no pais na centralidade das discussões
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Cabeças de Bonecas

    A cabeça daquele corpo estava ali entre as cabeças das bonecas e outras cabeças humanas.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    O duelo da práxis e da hipocrisia nos programas de governo

    Os programas de governos nas disputas eleitorais são importantes instrumentos para definir o perfil das candidaturas e o caráter possível dos governos eleitos. Apesar dos programas de governos não serem o vetor que possibilita na maioria das vezes a vitória eleitoral, tendo em vista, que historicamente, as eleições são decididas pelo poderio econômico, basta ver o caráter de representação parlamentar nos três níveis federativos, a maioria dos eleitos entram pelo caminho do suporte financeiro de suas campanhas e não pelas suas proposições.
Carregar Mais Por Alexandre Lucas
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Não quero ser gente

    É do senso comum e de âmbito familiar, em especial no seio das camadas populares expressões do tipo “Se não você não estudar não será gente”, “Estuda para ser gente”, “Quem não estuda não consegue ser gente”. No campo da pedagogia, essas expressões precisam ser apuradas na sua essência, pois estão diretamente ligadas as concepções pedagógicas de educação e ao processo de manutenção e transformação social.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Uma cidade para além da ciranda dos nossos pares

    O desafio da gestão democrática e participativa das cidades reside em ampliar vozes
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Costureira do escuro

    A noite estava mais escura, as luzes dos postes e das casas deviam ter se cansado ou se reuniram para fazer greve. Quando as luzes se apagam, sem a nossa vontade, os que estão espalhados se juntam, parece até que o escuro é perverso ou que ele tira nossos olhos e nossa coragem.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Sensibilidade, burocracia e o conflito na Lei Aldir Blanc

    A Lei de Proteção Social da Cultura recolou o principal marco regulatório das políticas públicas para a cultura no pais na centralidade das discussões
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    Cabeças de Bonecas

    A cabeça daquele corpo estava ali entre as cabeças das bonecas e outras cabeças humanas.
  • Coluna do Alexandre Lucas Colunas

    O duelo da práxis e da hipocrisia nos programas de governo

    Os programas de governos nas disputas eleitorais são importantes instrumentos para definir o perfil das candidaturas e o caráter possível dos governos eleitos. Apesar dos programas de governos não serem o vetor que possibilita na maioria das vezes a vitória eleitoral, tendo em vista, que historicamente, as eleições são decididas pelo poderio econômico, basta ver o caráter de representação parlamentar nos três níveis federativos, a maioria dos eleitos entram pelo caminho do suporte financeiro de suas campanhas e não pelas suas proposições.
Carregar Mais Em Coluna do Alexandre Lucas

Sobre Alexandre Lucas

Pedagogo, Presidente do Conselho Municipal de Políticas do Crato-CE, integrante do Coletivo Camaradas e da Comissão Cearense do Cultura Viva.

Últimas

Assine nossa newsletter e receba nossas novidades por email

Mantemos os seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam este serviço possível. Leia nossa política de privacidade.

Instagram

Instagram did not return a 200.

Siga-nos!